Buscar
  • Gustavo Loiola

A década da ação já começou


Desde o início desse ano, um senso de urgência ganhou pauta em uma série de notícias e artigos que tenho acompanhado. A chamada Década da Ação, foi clamada pelas Nações Unidas como uma forma de acelerar o progresso global rumo ao desenvolvimento sustentável até 2030. Nesse contexto, ao meu ponto de vista, é possível vislumbrar quatro principais desafios - oportunidades nessa jornada para os próximos 10 anos. Compartilho abaixo minhas reflexões:


Mudanças Climáticas e o impacto nos mercados A mudança climática em nível global é uma das grandes barreiras para o atendimento da Agenda dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Segundo o relatório The Heat is On, de 2019, cada país enfrenta problemas diversos relacionados as mudanças climáticas com impacto direto em suas economias e o efeito cascata causada por isso acaba afetando a vida de milhões de pessoas. Os desastres ambientais como furacões, derretimento de geleiras e - como vimos recentemente - queimadas e alto índice de chuvas, causam grandes destruições que impactam diretamente os indivíduos, aumentando a situação de vulnerabilidade em muitas famílias. Países pouco resilientes, são os que mais sofrem com essas mudanças, e consequentemente os que mais demoram para se recuperar. Por outro lado, em países como o Brasil, tem uma grande influência na produção agrícola que claramente tem relação direta com o clima. O pesquisador Marshal Burke, do Earth System Science da Universidade de Stanford, realizou um estudo que traz insightsinteressantes na relação das mudanças climáticas com a economia. Após estudar por cerca de 50 anos o impacto do aquecimento global no PIB, foi evidenciado que nos períodos com climas mais quentes que a média, os crescimento econômico aumentou nos países mais frios e reduziu nos países mais quentes. Voltando aqui a agricultura, os países mais frios (costumeiramente no hemisfério norte, desenvolvido) tem períodos reduzidos de geminação devido aos invernos rigorosos, ao mesmo tempo que com temperaturas mais elevados, a produção diminui de maneira acentuada.

Logo, países que seriam grandes importadores, passam a ter condições de produzir seu próprio alimento, ao invés de comprar de países de matriz agrícola (países do hemisfério sul na maioria das vezes), como por exemplo o Brasil, que segundo o estudo teria tido um crescimento 20% maior se não fosse o aquecimento global.

Transição do mercado de investimentos para a sustentabilidade O risco climático é um dos grandes fatores responsáveis pela transição do mercado de investimentos. Recentemente, o presidente da BlackRock - maior gestora de ativos do mundo - em sua carta aos clientes, anunciou uma mudança estratégica de investimentos, para posicionar a sustentabilidade no cerne no negócio. Responsável pela administração de mais de USD 7trilhões, Larry Fink, discutiu alguns dados do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas da ONU e estudos da McKinsey sobre as consequências socioeconômicas do risco climático físico e como impacta o sistema global que financia o crescimento econômico; Reflete sobre temas interessantes, como o trecho abaixo: “Por exemplo, nos Estados Unidos, será que as cidades serão capazes de suprir as necessidades de infra-estrutura à medida que o risco climático muda o mercado de títulos municipais? O que acontecerá com as hipotecas de 30 anos – um pilar fundamental das finanças – se os credores não puderem estimar o impacto do risco climático para um horizonte tão longo, e o que acontecerá com as áreas afetadas por enchentes ou incêndios se não houver um mercado de seguros viável para esses eventos? O que acontece com a inflação, e por sua vez às taxas de juros, se o valor dos alimentos aumenta devido à seca ou às inundações? Como podemos modelar o crescimento econômico se os mercados emergentes vêem sua produtividade cair como resultado das temperaturas extremamente altas e outros impactos climáticos?” Esses questionamentos são importantes na medida em que os investidores estão cada vez mais cientes que risco climático é um risco de investimento. Empresas com estratégias sustentáveis, são consideradas de menor risco devido a sua preocupação com a sociedade, diminuição das externalidades negativas e a visão perene para o futuro. Organizações que “remam contra a maré”, estão fadadas a encontrar um certo ceticismo por parte dos mercados, o que consequentemente amplia o seu custo de capital. A BlackRock dentro dessa estratégia anunciou que irá gradativamente buscar reduzir o risco de ESG- Environmental, Social and Governance - em suas atividades de investimento, avaliando o perfil de risco de retorno e as externalidades negativas; Um exemplo disso é que já iniciaram um processo para retirar investimentos em empresas que geram mais de 25% das suas receitas provenientes da produção de carvão térmico. Ao assumir esses compromissos frente a sociedade, a BlackRock apresenta uma tendência que estimula todo o mercado de capitais. Um outro exemplo pioneiro na América Latina desde 2005, é o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) operado pela B3, antiga Bovespa, que hoje reúne uma carteira de 36 ações de 30 companhias com soma R$ 1,64 trilhão em valor de mercado. Além de ser forte referência em opções de investimento socialmente responsáveis no Brasil, conforme se observa em seus relatórios, o ISE destaca-se pelo desempenho histórico acima dos índices apresentados pela própria B3.

Geração de valor para as partes interessadas Sabemos que o modelo empresarial que tivemos até mais recentemente é cada vez mais visto como grande responsável pelos problemas sociais, ambientais e econômicos - inevitavelmente a prosperidade empresarial era construída as custas da sociedade e das comunidades que estão em seu entorno. Nessa visão, enraizada desde a revolução industrial, o sucesso de uma organização sempre esteve relacionado a geração de mais dinheiro ou lucro, a curto prazo. Porém, essa chave virou. Nas últimas semanas no Fórum Econômico Mundial em Davos, se discutiu muito a importância das empresas servirem aos seus stakeholders, ou seja, basearem a sua estratégia no desenvolvimento das partes interessadas e não apenas dos seus acionistas.

É imperativo que as empresas entendam que o bem estar dos seus colaboradores, a satisfação dos clientes e da comunidade do entorno, o respeito ao meio ambiente e aos seus fornecedores, a transparência e a ética são essenciais para uma visão de prosperidade organizacional e visão a longo prazo.

Uma das estratégias para esse desenvolvimento estão nos princípios do valor compartilhado, onde o crescimento do valor econômico está também aliado a geração de valor da sociedade, conectando o sucesso da empresa ao progresso social. Inspiradas pelo propósito, muitas empresas vem mudando a sua maneira de pensar e agir, como é o caso da Starbucks (que mencionei em um artigo anterior), Nestlé e Carrefour, que tem estratégias sólidas baseadas nos três princípios do Valor Compartilhado (Porter e Kramer), que são: reconcepção de produtos e mercados, redefinição de produtividade na cadeia de valor e promoção e desenvolvimento de clusters locais.

Nova geração, novo mindset Por fim, aliados a todas essas transformações, temos a voz das novas gerações. Segundo pesquisa feita pela Anistia Internacional com a Geração Z (18-25 anos), para eles a mudança climática foi a questão mais importante enfrentada pelo planeta, citada por 41% dos jovens; No Brasil, a corrupção foi a mais citada, seguida pela instabilidade econômica, poluição e desigualdade de renda. Paralelo a isso, foi possível acompanhar pelas notícias nos últimos meses, uma série de manifestações em diferentes países por várias dessas causas, muitas delas lideradas por esses mesmos jovens: o protagonismo e o não conformismo é algo presente nas novas gerações. Estamos em um momento de transição geracional, com a ascensão dos Millenials dentro do ambiente corporativo e na tomada de decisão, bem como a chegada da Geração Z no mercado de trabalho.

São estudantes, empreendedores, consumidores e investidores que tem uma nova forma de enxergar o mundo e se relacionam de maneira diferente com as empresas que consomem ou trabalham.

É importante estar atento á esse novo mindset de uma geração com poder de compra de mais de U$ 3,5 trilhões de dólares e que segundo análise da Bloomberg, ainda esse ano ultrapassa os Millenials compondo 32% da população mundial. Assim como os Millenials, a Geração Z é bastante conectada ao propósito das empresas e valorizam a autenticidade, transparência e sustentabilidade. Um post do blog Consumidor Moderno trouxe alguns dados interessantes de uma pesquisa da DoSomething Strategic evidenciando que mais de 75% desses jovens já compraram ou comprariam um produto de uma marca que apoia causas em comum, e mais do que isso, estão dispostos a boicotar marcas: mais de 65% deixariam de comprar ou apoiar uma marca que não tivesse alinhada com os seus propósitos.

Entender o panorama atual que o planeta está e para onde estamos indo é o primeiro passo para que as organizações possam prosperar nesse futuro quase incerto. É necessário estar atento às transformações e oportunidades para responder de maneira ágil a esses desafios. Um bom roadmap é olhar para a os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e construir estratégias que estejam alinhadas a essas metas. Recentemente o Pacto Global, iniciativa da ONU, lançou uma ferramenta gratuita para ajudar empresas a adotar medidas para alcançar os ODS. O SDG Action Manager foi desenvolvido pelo B Lab em parceria com o Pacto e reúne uma avaliação de impacto, com a intenção de viabilizar a autoavaliação das empresas, benchmarking e a melhoria contínua.

Converse com seus pares, líderes e colegas para pensar em formas de construir um futuro diferente para as próximas gerações. Que tal ser parte da mudança?


Confira esse post no Linkedin.


23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo